Cinderela da estrada

Todas as histórias apresentadas aqui são reais, foram gravadas ANTES da pandemia e de autoria dos próprios protagonistas.

“Nós ficamos viajando por 50 dias, quando estávamos chegando em casa, a Vitória começou a chorar, porque não queria descer do caminhão”

Cheila Porazzi Fulber, conhecida na rodagem pelo QRA Cinderela, não teve uma vida de conto de fadas. Junto com a mãe, desde muito nova, arregaçou as mangas e ganhou as estradas do Brasil.  Hoje, vê se manifestar em Vitória, sua filha, o mesmo amor pelos caminhões que herdou dos pais.

Vitória e Cheila provando que a fruta não cai longe do pé!

Filha de mãe e pai motoristas, a nossa Cinderela cresceu tendo familiaridade com caminhões. Quando pequena, ao ver o pai e a mãe partirem a cada nova viagem, ela e o irmão, Charles, se penduravam atrás do caminhão, querendo seguir juntos para a estrada.

Aos 18 anos, com o divórcio dos pais, Sueli e Olávio, Cheila assumiu de vez a profissão de caminhoneira, quando passou a ajudar a mãe nas viagens. A rotina era pesada e as contas eram muitas, mas para reequilibrar a condição financeira de sua família, Cheila ampliou a rota que os pais faziam, do Rio Grande do Sul, para o Brasil inteiro. Foram 20 anos rodando pelas estradas do Nordeste. 

Trabalhando duro, Cinderela realizou o sonho de comprar o seu próprio caminhão. A vida seguia, desafiadora e cheia de trabalho, mas com muita esperança, ela, a mãe e o irmão seguiam na luta cotidiana.

Porém, uma notícia abalaria novamente a vida de Cheila. Durante uma viagem ao Nordeste, ela recebeu a notícia de que a sua mãe havia passado mal e estava hospitalizada. Chegou ao Rio Grade do Sul apenas em tempo de se despedir, no final do velório de Sueli. O mundo de Cinderela caiu. Naquele momento, ela perdeu não só a mãe, mas a amiga, a primeira companheira de estrada e a sua fonte de inspiração.

Cheila agora, precisava aprender a viver com o luto e cuidar do pai, inválido. Essa realidade a afastou do seu outro grande amor, a estrada. Mas, como todo conto de princesa, não poderia acabar sem um final feliz: tudo mudou para Cinderela, quando ela descobriu que estava grávida de sua filha, Vitória.

Qual foi o impacto da chegada da Vitória em sua vida, naquele momento?

A Vitória foi um sonho que realizei na minha vida. Por muito tempo pensei que não teria a chance de me tornar mãe, pois a minha prioridade eram os meus pais, a prestação do caminhão, trabalho…  A rotina da estrada, sempre viajando, também tornava difícil manter um relacionamento. Então, conheci o Mariston!

Nós estávamos namorando há 7 meses quando minha mãe faleceu. Naquele momento, eu tive que largar tudo para cuidar do meu pai e ao mesmo tempo eu estava em péssimo estado emocional causado pelo luto. Ele me ajudou! O Mariston contratou um motorista para dirigir o caminhão dele e foi trabalhar com o meu, enquanto eu reorganizava a minha vida.

Nesse tempo, engravidei da Vitória e foi ela quem salvou minha vida, minhas forças, minha vontade de viver, pois eu estava quase desistindo. Quando soube que estava grávida decidi me dedicar totalmente à minha filha pelo tempo que precisasse, porque talvez, não tivesse outra chance estando já com 37 anos.  Dessa forma dei esse tempo somente pra nós duas. Hoje, ela está com 2 anos e 9 meses e nunca desgrudei dela nem por um minuto.

Você acha que a Vitória vai seguir os seus passos?

É a terceira geração, né? Particularmente, eu espero que ela estude, porque essa vida é sofrida. Mas, não dá para saber, a gente tem que deixar que eles façam as suas escolhas. Mas, ela gosta muito, quer porque quer ir viajar. 

Você tem planos para voltar a trabalhar na estrada?

Sim, eu sinto muita falta, muita saudade da estrada e pretendo voltar. Porém, agora quero curtir a minha filha. No futuro, pretendo assumir o meu caminhão novamente. Em contrapartida, meu marido quer largar da estrada e trabalhar perto de casa, assim, a Vitória sempre terá um dos pais ao seu lado.

Share on whatsapp
Compartilhe por WhatsApp
COMPARTILHE TAMBÉM POR
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp
Compartilhe por WhatsApp
COMPARTILHE TAMBÉM POR
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on linkedin
Share on email

VEJA TAMBÉM

Na boleia com Genésio

Esse companheiro de viagem é o resultado de um par de luvas infladas, um desenho de carinha e um cachecol

RECEBA NOVAS HISTÓRIAS​