Mara e Vagner, parceiros na estrada e na vida

Todas as histórias apresentadas aqui são reais, foram gravadas ANTES da pandemia e de autoria dos próprios protagonistas.

Podia ser mais uma tarde como outra qualquer na loja de sapatos onde Mara trabalhava. Mas uma conversa entre colegas de trabalho, sobre a profissão de caminhoneira, “virou uma chave” na cabeça da moça. Naquele momento ela decidiu: seria motorista de caminhão. Saiu do emprego e com o que recebeu, providenciou a carteira categoria E. No último mês de seguro desemprego a tão sonhada vaga como motorista foi conquistada. Ali começava uma nova carreira para Mara, que hoje já atua na estrada há mais de uma década.

O caminhão trouxe novas experiências e também um grande amor. Foi a profissão compartilhada que aproximou Mara e Wagner assim que se conheceram. Com tantas afinidades, logo eles se tornariam não apenas marido e mulher, mas grandes parceiros de estrada. O casal não poupou esforços e as constantes viagens que os dois faziam, ao invés de afastá-los, os aproximou ainda mais, chegando, inclusive, a trabalharem no mesmo caminhão. Atualmente, os dois fazem a mesma rota, cada um em seu caminhão.

“É muito bom viajarmos juntos, pelo rádio fazemos companhia um ao outro, nunca estamos realmente sozinhos”

Viajando juntos, foram colecionando amigos e histórias, como uma vez em que Mara perdeu a paciência com o atendimento demorado na pesagem e ameaçou descarregar adubo ali mesmo, no chão. Ou quando Wagner, que gosta de pregar peças, foi filmado pela Mara, passando trote em um colega.

Como é para vocês viajarem juntos?
Mara:​ É muito bom, não tem nem como explicar. Nós vamos conversando pelo rádio, meu marido é muito engraçado e nos divertimos muito. Vamos fazendo companhia um para o outro.

Como as pessoas reagem quando vêem um casal viajando juntos?
Mara: ​Nós fazemos muitos amigos, mas algumas vezes me incomoda quando nos pátios ou transportadoras alguém vem falar sobre o caminhão e se dirige automaticamente ao Wagner. Ele sempre responde que sobre o meu caminhão, eles devem falar comigo. É machismo, pois acham que por eu ser uma mulher eu não entendo tão bem. Algumas vezes, me observam manobrando o caminhão e correm para oferecer ajuda, mas eu já tenho experiência no volante, estou na profissão há 11 anos, não oferecem a mesma ajuda ao meu marido.

Esses episódios são comuns? O Wagner fica incomodado?
Wagner:​ Volta e meia acontece. Uma vez a Mara estava manobrando um caminhão internacional bi caçamba, com três caixas. Esse caminhão é difícil de manobrar. Eu estava no pátio observando e tinha alguns outros motoristas ao meu lado. Eles estavam comentando entre si que ela não conseguiria se a direção fosse manual. Quando eu falei que era manual, se espantaram e ficaram em silêncio. A Mara sabe o que está fazendo e dirige melhor do que muitos caminhoneiros homens.

Vocês já pensaram em mudar de profissão?
Mara:​ Às vezes a profissão é dura, é pesada, às vezes tem apertos. Eu mesma já tive que lavar caminhão cheio de esterco. Mas, eu amo a minha profissão, eu gosto da estrada, não penso em trocar de trabalho. Eu acho importante que cada vez mais as mulheres abracem a profissão de caminhoneira. Porém, não devem se iludir com fotos de Instagram de blogueiras super produzidas ao lado de caminhões lindos. A profissão é ótima, mas tem desafios para quem põe a mão na massa de verdade. Quem acha que é glamoroso, pode se decepcionar.

Share on whatsapp
Compartilhe por WhatsApp
COMPARTILHE TAMBÉM POR
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp
Compartilhe por WhatsApp
COMPARTILHE TAMBÉM POR
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on linkedin
Share on email

VEJA TAMBÉM

RECEBA NOVAS HISTÓRIAS​